APROVADO PROJETO DO DEPUTADO GONDIM QUE GARANTE MAIS SEGURANÇA AOS CICLISTAS

O plenário da Assembleia Legislativa aprovou, na última terça-feira, o projeto de lei de autoria do deputado estadual Luiz Carlos Gondim (PTB), que obriga os fornecedores, distribuidores, importadores e revendedores de bicicletas a fornecerem aos compradores os itens de segurança obrigatórios exigidos por lei, além de material educativo sobre os acessórios necessários para os ciclistas.

O parlamentar esclarece que o intuito do projeto é dar efetividade às normas federais de trânsito, que têm como finalidade, dentre outras, a proteção da integridade física dos usuários de bicicletas e transeuntes. A aprovação do projeto vai garantir que as bicicletas cheguem aos consumidores com equipamentos obrigatórios campainha, sinalização noturna dianteira e traseira, lateral e nos pedais, e espelho retrovisor do lado esquerdo.

“Essa é uma medida necessária porque ajudar a evitar acidentes e salvar vidas. Esses itens de segurança vão garantir maior segurança aos ciclistas, que também terão acesso às informações necessárias sobre os cuidados e as normas que devem seguir no trânsito. É também uma maneira de garantir também a segurança dos motoristas”, observa o deputado.

Gondim chama atenção também para o aumento expressivo de pessoas que usam o veículo como meio de transporte e ferramenta de trabalho, além daqueles que buscam vida saudável ou participam de competições e eventos. “O aumento de ciclistas no trânsito tem elevado também o número de acidentes causados pela falta de atenção aos cuidados necessários para proteção. As ocorrências são mais frequentes, no período da noite, porque fica mais difícil identificar um ciclista na estrada”, argumenta.

Dados divulgados por uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo) apenas 1% dos ciclistas utilizam os chamados equipamentos de segurança.

O parlamentar obseva o número preocupante, pois, demonstra que apenas os ciclistas que participam de competições é que fazem uso dos itens de proteção. Ainda, de acordo com a pesquisa, o uso da bicicleta no Brasil está dividido em quatro setores: 50% utilizam como meio de transporte, 32% são de uso infantil, 17% para recreação e lazer e 1% em competições.

“Acredito que com esse projeto estou contribuindo para o desenvolvimento de uma política de mobilidade sustentável nos grandes centros e de transporte alternativo na zona rural, bem como de uma política de saúde pública”, ressaltou Gondim.

Deixe uma resposta