GONDIM DEFENDE AMPLIAÇÃO DO HOSPITAL LUZIA DE PINHO MELO

O Luzia de Pinho Melo de Mogi das Cruzes, o hospital mais importante do Alto Tietê, precisa de melhorias para atender a população. A unidade está enfrentando uma série de problemas com superlotação e não está conseguindo atender toda a demanda de pacientes que são encaminhados pelas unidades de saúde dos dez municípios da região.
Preocupado com a situação, o deputado estadual Luiz Carlos Gondim (PTB) encaminhou, no inicio deste mês de novembro, um pedido ao governador Márcio França (PSB), solicitando que adote as medidas necessárias para promover uma ampla reforma no hospital. A unidade foi construída na década de 70, projetada inicialmente para ter oito pisos, mas conta apenas com dois pavimentos.
A última reforma também foi feita a pedido do próprio deputado, no inicio dos anos 2000. Ele explica que na época conseguiu convencer o Governo a realizar uma reforma na unidade, que foi concluída em 2004 com a ampliação de leitos e de serviços. Agora o parlamentar solicita que sejam construídos de pelo menos mais dois andares
O hospital é referencia em alta e média complexidade para tratamento de acidentados, oncologia, cardiologia e outros serviços médicos de urgência e emergência. O local atende mais de 450 habitantes, 40 mil de Biritiba Mirim e os 25 mil de Salesópolis, entre outros da região Alto Tiete, que conta atualmente com quase dois milhões de pessoas
“O problema poderia ser menor se a saúde da região funcionasse melhor, já que existem hoje deficiência no atendimento nas cidades de Suzano, Poá, Itaquaquecetuba e Ferraz, apesar desses dois últimos contar também com hospitais do Estado”, comenta Gondim.
Além da superlotação, o Luiza também está com dificuldades para atender algumas especialidades por causa da medida de contingenciamento de recursos promovido pelo governo do Estado. “Hoje tem até espera para cirurgias cardíacas. Atualmente estão sendo feitas apenas uma por semana. A situação é muito complicada”, declarou Gondim, com base em informações divulgadas pela Secretaria Municipal de Saúde e publicada nos jornais da cidade.
O local conta ainda com muitos leitos ocupados por pacientes de hemodiálise, que são obrigados a ficar internadas no Luzia porque também não vagas disponíveis para fazer o tratamento nos institutos de nefrologia da região, outro problema que o Alto Tietê enfrenta. “Apresentamos esses argumentos para tentar sensibilizar o governador e conseguir a aprovação do projeto para garantir a ampliação do hospital”, reforçou o parlamentar.

Deixe uma resposta